Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ifg.edu.br/handle/prefix/30
Tipo: Dissertação
Título: Corpo máquina ou corpos vivos? O corpo que a escola afirma por meio dos livros didáticos
Autor(es): Machado, Estefânia Costa Ferreira
Primeiro Orientador: Barreto, André Valente de Barros
metadata.dc.contributor.referee1: Barreto, André Valente de Barros
Resumo: O corpo que encontramos na escola em geral, seja nos livros didáticos, seja nos modelos pedagógicos, constitui-se sob uma abordagem mecanicista, sustentada pelo saber biomédico, que se firmou a partir da sociedade moderna como fruto do racionalismo, do individualismo e das dissecações anatômicas. Esse é o corpo que, hegemonicamente, vigora na sociedade em geral. O estudo dos livros didáticos de Biologia, os quais oficialmente nos dizem o que é o corpo, confirmam essa vertente. Entretanto, percebemos a confrontação de correntes baseadas nas ciências humanas no sentido de romper com essa visão por meio da apresentação de uma concepção simbólica, a qual apregoa que o corpo é um dado cultural. Compreendemos que ambas as abordagens se configuram como limitadas, pois são “disciplinaristas” e reforçadoras de velhos dualismos. Assim, o presente trabalho vislumbrou a importância do estabelecimento de um diálogo entre os diferentes saberes e abordagens sobre o corpo na busca de uma visão unicista, um corpo vivo. Por isso, nosso objetivo foi a articulação das duas vertentes de concepção de corpo em ambiente escolar por meio da elucidação de possíveis caminhos que estabeleçam um diálogo entre as duas abordagens, levando em consideração a visão do ser humano enquanto sujeito, constituído por bases biológicas e simbólicas que se aglutinam. Os possíveis caminhos que vislumbramos se baseiam na teoria da autopoiesis e na pedagogia da complexidade. Como produto, apresentamos uma cartilha que procurou estabelecer esse diálogo, tendo como tema o movimento.
Abstract: The body found in the school in general, whether in textbooks, whether in the pedagogical models, it is under a mechanistic approach, underpinned by biomedical knowledge, which has established itself from the modern society as a result of rationalism, individualism and anatomical dissections. This is the body that, hegemonically, is placed in society. The study of biology textbooks, which officially tell us what the body is, confirms this aspect. However, we realize the confrontation between approaches based on the humanities in order to break with this view by presenting a symbolic conception, which proclaims that the body is given as cultural data. We understand that both approaches are characterized as limited as they are disciplinary and reinforces old dualisms. Thus, the work saw the importance of establishing a dialogue between the different knowledge and approaches to the body in search of a Oneness view, a living body. The possible paths that we glimpsed are based on the theory of autopoiesis and pedagogy of complexity. As a product, we present a booklet that sought to establish this dialogue, having as theme the movement.
Palavras-chave: Escola. Livro didático. Corpo. Mecanicismo. Simbólico. Unicista.
CNPq: CIENCIAS EXATAS E DA TERRA
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Insitituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Sigla da Instituição: IFG
metadata.dc.publisher.department: Câmpus Jataí
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Educação para Ciências e Matemática
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ifg.edu.br/handle/prefix/30
Data do documento: 6-Dez-2014
Aparece nas coleções:Mestrado Profissional em Educação para Ciências e Matemática

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação-Estefânia Costa Ferreira Machado-2014 (.pdf 1051 kb).pdf1,05 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.